Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As duas faces da vida...

Confessado por Mulherde30, em 19.01.10

PC160044.JPG
Fotografia: Raquel


Não sei se te acontece o mesmo... alturas em que de tudo estar tão bem, que não tens a certeza que é real. Ou nas outras em que te sentes tão errada na vida que te parece, tambem, irreal.
Horas de duvida. Numa fantasia- realidade de linha ténue. O que é, o que não é... ou o que não querias que fosse.

Ou talvez não...
Se calhar a vida é apenas aquilo que lhe vemos e não tem mais nada. E são sonhos reais e realidades imaginárias.
O desejares, lá no fundo onde faz eco, que todos sentissem a paz que trazes contigo numa certa altura da vida. Como a que sinto, nesta fase tranquila em que me sinto feliz.
Mas em qualquer etapa, seja a boa ou a outra, a vida tem sempre duas faces.
A nossa e a outra.


Ontem, estava a ver televisão. Vê tu. Euzinha, dentro de uma vida normal. Mas é realidade. Tal como as imagens que via de corpos estendidos no chão, sem ninguem que os reclame. Sozinhos na morte. Até na morte sozinhos.
Os olhos de quem sofre e nem sequer chora.
Os paises que de tão miseráveis que são, ainda têm um destino cruel por cumprir.
Não devia ser assim, pois não?
E vês o desespero. O olhar perdido de quem nada pode fazer. O grito da revolta.
E eu sentada num sofá, confortável. A ver imagens num ecrã. A sair para ir ao cinema. A preparar um jantar. A sobrar comida e outra a estragar-se no frigorifico. Comprada porque sim e depois, não consumida na validade. O lixo.
A fome no mundo.

Eu a pensar que quero regressar com o boy aos Estados Unidos. A esfroçar-me para juntar aqui e ali uns troquinhos para o conseguir.
E pessoas nos escombros, ainda resistentes, à espera. Braços que cansados levantam pedras. Não há máquinas. Dizem.

Eu a dizer que precisamos comprar cortinados. Que ainda precisamos de uma lista infindável de objectos neste lugar que é o nosso lar.
E as pessoas a dormirem na rua. A pilharem para sobreviver.
Crianças pequenas em braços estranhos que os seguram. E os nossos sobrinhos que fazem birra porque não lhe compraram um brinquedo.
A dor do mundo. E nós, que fazemos parte desse mundo, a olharmos de soslaio. Num medo que um dia, quem sabe, possamos estar assim. Mas não mudamos. Continuamos a nossa vida real a imaginar outros voos. A deixar cá fora os reflexos do que somos por dentro.
Quando olhamos, será que vemos? Nem sempre...

Não sei se te acontece o mesmo. Teres horas em que à tua volta vês tanta tragédia e mesmo assim, dás-te ao luxo de pensares em coisas que queres. Coisas banais. Sem nenhuma urgência nem valor.

E depois, mais tarde, dás-te conta e sentes-te assim... pequenina.

publicado às 14:14


O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D