Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Enquanto espero...

Confessado por Mulherde30, em 29.11.05

269774.jpg
Fotografia:?

Se me perguntarem porque espero ou o que espero, não sei dizer.
O que sinto é que ainda não é isto.
O que sinto é que caminhei tanto para alcançar o que pensava que era o que desejava, e agora, que olho o mundo do cimo da montanha, vejo que afinal... não quero tanto assim.

Afinal, sou feliz com muito menos. Preciso apenas de sentir, preciso apenas de acreditar, de sorrir. Preciso da liberdade, aquela que me faz sentir que não tenho nada a perder. Foi sempre assim que vivi, numa corda bamba, a pagar para ver se caía ou ganhava asas para voar.
Quase sempre caí. E levantei-me. É por acreditar... que talvez amanhã, quem sabe, consiga voar.
Viver a arrumar histórias e a começar outras...ir depressa demais e outras vezes não ir sequer. Chorar porque rio e a rir porque choro. Com este coração que não me cabe no peito. E reconstruo-me assim por dentro, devagar.

Recordo que um dia li um provérbio que dizia que quando chegasse a um momento em que me sentisse, de tão cansada, incapaz de dar um passo sequer, teria chegado precisamento a metade do caminho que era capaz de percorrer. Talvez seja verdade. A coragem surge sempre algures, nessas coisas que nos escapam ao primeiro olhar...


É a falta. A falta do toque que sabemos ser por amor. A falta de alguem que nos trate bem, que nos mime, que esteja lá, simplesmente. Mais que namorado, marido ou amante. Companheiro. O porto para o qual sabemos sempre poder regressar. O ter alguem à nossa espera. O esperar por alguem. A quem dar o ultimo telefonema do dia. A quem desejar boa noite. A cabeça de descanso num peito que se mexe devagar. O silêncio. A mão e o corpo entrelaçados noutra mão e noutro corpo. O beijo. O riso. O chamego. O aconchego. O partilhar. Alguem para escutar, alguem que nos escute. O dividir. O acordar cedo porque está tanto por viver... a tranquilidade das manhãs de domingo...as tardes de aconchego no sofá, entre mantas e lareira. As noites de travessura.
Cumplicidades... e o amor sempre escondidinho, ali perto, à espera do momento para gritar. E quantas vezes ninguem o ouve.


Por vezes a falta pesa. A falta de coisas tão banais...como o amor. O amor que quando não morre mata. O amor que muitas vezes, por desistir de nós, nos obriga a desistir dos nossos sonhos... sempre o amor. Que por ser tão odiado é tão procurado. E nessa procura, ele a bater à porta, de mansinho, e nós, distraidos.

Quantos sentem falta? E de quê? Ninguem fala das faltas que sentem, das saudades que têm. A verdade é que não se fala do que se sente... medo? Talvez. As coisa bonitas calam-se para se gritar alto as outras. As feias. É sempre mais fácil magoar que dizer gosto-te.


Eu sinto falta de muitas coisas...até de receber uma carta, verdadeira, em envelope fechado com o carimbo dos correios e tudo. Sem ser em correio azul, que parece ser urgente demais...mesmo que fosse uma carta que começasse por: "minha querida Raquel...."
Saudades das coisas mais pequenas.... saudade.
E a saudade só faz com que espere. Espero o dia em que a possa matar, para sentir aquele sorriso que nasce inocente, por uma ternura que vem do peito, cá de dentro, devagarinho... só para sentir que todo o tempo de espera não foi em vão...


A verdade é que sempre segui pelo melhor caminho, o unico que naquele instante poderia seguir. Parece-me agora que sempre o mais dificil.
Hoje que penso nas perdas, nas faltas, na saudade, nas esperas constantes, vejo que perdi muitas almas, mas nunca a minha, perdi muitos corpos mas nunca o meu. Perdi muitos homens mas nunca o amor. Aquele que continua cá no fundo, onde faz eco. O que espera. Apenas.

"Eu quero te roubar pra mim,
eu que não sei pedir nada.
Meu caminho é meio perdido...
mas que perder seja o melhor destino.

Agora não vou mais mudar,
minha procura por si só
já era o que eu queria achar.
Quando você chama meu nome
eu que tambem não sei onde estou
Pra mim que tudo era saudade
agora seja lá o que for....


Eu só quero saber em qual rua
minha vida vai encostar na tua

E saiba que forte eu sei chegar
mesmo se eu perder o rumo
E saiba que forte eu sei chegar
Se for preciso eu sumo

Eu só quero saber em qual rua
minha vida vai encostar na tua..."

publicado às 00:47


Confessionário

De Margarida a 29.11.2005 às 01:45

Minha querida Raquel, gostei muito do texto, e tanbém gosto muito de ti. Fica bem

De sandra a 29.11.2005 às 13:15

Pois é mais uma vez, estamos em sintonia.
E em uma frase dizes tudo (...)"O amor que quando não morre mata" (...)É engraçado que quando temos estas simples coisas, o beijo, o apertar de mão a simples companhia, as achamos tão banais e quando não as temos parecem que com o passar do tempo cada vez mais, se tornam inatingiveis! Já tinha saudade de te ler assim...com este sentimento. Ás vezes a falta de alguém é tão grande que parece que sobra ar!!! Beijos aos molhos a ti que consegues ter tão lindos sentimentos.

De Anabela F. a 29.11.2005 às 13:30

Uau!Sem palavras o teu texto reflete a minha maneira de ver e sentir as coisas.Confesso que conheço este espaço e o visito diáriamente com a ansia de encontrar novos "desabafos".Penso e volto a pensar na minha vida quero mudar, viver estar em permanente mudança não estagnar por ser mais facil, gostava tb de saber escrever como tu o fazes para libertar.Parabéns.

De L.M a 29.11.2005 às 15:33

Desde q a tua espera valha a pena...quem espera sempre alcança!! jokas há montes de tempo q não sei nada teu, está tudo bem??

De valordascoisas a 29.11.2005 às 18:14

Sinto e compartilho tudo o que dizes. Também eu sinto falta. Mesmo muito falta de um companheiro. Não aquele que vejo uma vez por outra... mas aquele que quero ver todos os dias, para um simples "Bom dia". Não imaginas como somos parecidas.

De Passo a 29.11.2005 às 18:32

e ainda dizem q todos os caminhos vao dar a roma :s todas as nossas opcoes/escolhas vao-se reflectir mais adiante no caminho :) é sempre dificl escolher, n é algo p decidir no moeda ao ar :) nc te arrpendas das escolhas q possivelmente sofreras menos, digo eu q n percebo nada disto :s

De waterfall a 29.11.2005 às 21:16

Também tenho saudades das cartas verdadeiras. De escrever, de esperar a resposta e de ler e reler...! Um beijo

De CaisD'Alfama a 29.11.2005 às 22:45

Raquel,desta vez,não te vou melgar a cabeça.Só me resta dizer unicamente...........LINDO!
E continua,que eu gosto do que escreves.

De bcool a 29.11.2005 às 22:52

dizia alguém que a questão mais importante não é o destino da viagem, mas a viagem em si e a forma como se a empreende ... ou outro que dizia que perante o desconhecido, normalmente o Homem (ou a mulher, ou os outros que não são nem carne nem peixe) faz perguntas para conhecer a realidade, mas mais importante que saber as respostas é que continuamente se façam as perguntas para que nunca se estagne ... claro que uma viagem a dois é sempre melhor que uma viagem a um ... o mais importante é mesmo viajar, se fôr com boa companhia, daquela que vale a pena, então será muito melhor, mas para mal, mais vale só ... eu gosto de ler as tuas viagens, mesmo sabendo que apenas leio parte de todo o caminho, mas a parte que leio é bem interessante ... beijinhos viajante incansável ...

De karina oliveira a 30.11.2005 às 19:46

Essas palavras. Estive quase para roubar este post e por no meu blog. Mas gostava primeiro que me desses a tua autorização. Não vou comentar este post porque as minhas palavras não exprimiam exactamente o que gostava de transmitir. Fico-me apenas pela ideia de que acho que vais encontrar o amor! Mil beijos e um sorriso (triste).

Diz lá


Pág. 1/9



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D