Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Frágil...

Confessado por Mulherde30, em 20.09.06

george kronberg.jpg
Fotografia: George Kronberg

Há alturas assim... em que parece que uma tempestade desceu sobre a minha vida, que me quebrou os alicerces frágeis (ou serei eu?), que me rebentou por dentro e me deixou meia perdida, no meio de nada, no vazio. E não sei por onde começar a reconstruir a minha vida. Outra vez.

Nessas horas, como esta em que escrevo, em que as lágrimas me caem dos olhos sem as poder controlar, uma após outra, revoltadas e em fúria num rosto já tão cansado...que me aliviam o peito e a alma enquanto sufoco o rosto na almofada para abafar os soluços...nessas horas que me fazem levantar da cama tão imensa onde me mexo e remexo sem encontrar paz, por precisar escrever e deixar sair de mim o que sinto. Nessas horas que me fazem sentir a agonizar devagar. Em que me sinto frágil, pequenina... e só.
Nessas horas, como esta, em que me rendo. Me deixo levar para longe para esquecer e não sentir o peito a rebentar-se por dentro com o coração apertadinho que me quer galgar a boca e todos os sentidos.

Olho para trás e vejo o que nos ultimos anos perdi. Perdi tudo. Quase tudo.
Perdi um homem. O homem pai...
Depois disso, perdi amigos, amores, trabalho, paixões. Mais que isso: perdi-me. Já não me encontro por mais que me procure por dentro de mim. Todos os meus recantos estão vazios. Onde fiquei eu? Onde me escondi que agora não sei de mim?
Até onde permiti que a vida me escolhesse os caminhos?
E sinto-me assim, caída. De asas feridas. E pela primeira vez...sem vontade de ganhar coragem para seguir.
Pela primeira vez a deixar-me sugar devagar por todas as mágoas, por todas as dores. Pela primeira vez a deixar-me invadir por todas as sombras...
Pela primeira vez a jurar-me que não mais irei acreditar em palavras, que não mais irei confiar em alguem.
Pela primeira vez com vontade de simplesmente baixar os braços e desistir desta batalha que tenho contra a vida, ou contra a morte. Já nem sei...

Não quero ouvir...
Deixem-me ficar deitada, quieta...
Saiam e fechem a porta devagar para não perturbar o meu silêncio.
Sinto-me frágil.
Não quero saber que o céu está cinzento e que o sol não brilha. Não quero saber que o mundo inteiro está à beira do abismo. Não quero saber se as pessoas que amo irão embora tambem. Não quero saber se ao adormecer me cheguem os pesadelos que me esperam deixar dormir para me abalarem os dias, para me recordarem dos medos. Não quero saber dos livros que ficam por ler, não quero saber se não mais acordar. Não quero saber...


Cansei-me de esperar. Cansei-me de perder. Cansei-me de cair e ter que seguir em frente. Cansei-me de pensar que tudo vai correr bem, que algumas histórias acabam bem mesmo na vida real. Cansei de repetir as palavras. Cansei de viver sempre pensando no melhor caminho para não ferir ninguem. Cansei-me de olhar mais para os outros que para mim. Cansei-me... sinto-me cansada. Apenas e só. E frágil.

Não me digam nada...
Nada do que me possam dizer será novidade ou importante para mim. Eu já sei tudo isso.
As palavras que há muito esperava ouvir nunca chegaram...e mesmo que as ouvisse agora já nem sei se fariam alguma diferença em mim.


Hoje não queria um amor. Queria uma companhia que me fizesse sentir que tudo ficará bem, alguem que me fizesse sentir as palavras e acreditar nelas. Queria um regaço, um abraço, uma ternura, uma cumplicidade. Ver-me num olhar e saber cá por dentro, no fundo onde faz eco, que esse olhar nunca me irá trair.

Hoje que me sinto frágil queria sentir a força e a coragem que devo ter algures dentro de mim mas que não sei onde as guardei...
Hoje queria ter a certeza que vai valer a pena levantar-me e seguir como sempre fiz após cada perda que senti.

É o que me rebenta por dentro...sentir-me frágil e sem força. Logo eu que fui programada para resistir, para seguir em frente por mais terrivel que tivesse sido a minha dor, para chorar baixinho sem ninguem ouvir, para não quebrar. Logo eu...


Mas estou aqui... e enquanto aqui estiver seguirei em frente, tropeçando e levantando após cada queda, escorregando e dando encontrões na vida. Ou a vida em mim...
Talvez agora precise de mais tempo para me reconstruir, de cimentar alicerces e pontes. Refazer tudo o que sempre fiz...recomeçando. Mas talvez agora possa ser forte e possa viver duvidando mesmo que só deseje acreditar...


Possivelmente chegarei ao fim e ao olhar para trás irei perceber que vivi toda a minha vida enganada. Que devia ter feito tudo de forma diferente. Poderei chegar ao fim e pensar que me enganei em tudo. Mas com a mesma certeza poderei dizer que nunca enganei ninguem.

Mas daqui a nada é dia outra vez...
E a esta hora em que me sinto frágil, só queria adormecer e ao acordar ter a sensação tranquila de não sentir nada...

"Fui sempre uma lutadora.
Portanto, uma luta mais: a melhor e a ultima...
Odiaria que a morte me vendasse os olhos
e me obrigasse a passar pela vida rastejando..."

publicado às 01:19


Confessionário

De ernesto a 20.09.2006 às 08:56

Um abraço, com carinho.

De waterfall a 20.09.2006 às 09:37

Quanto maior a tempestade mais calma será a bonança. Deixa a tempestade seguir o seu rumo, deixa-te chorar...

De lua a 20.09.2006 às 09:51

raquel, mais uma fase de merda, não é? tenho-as muito. o que me ajuda tb são as minhas pirralhas. por elas tenho que aguentar. sentir-me só, frágil? sempre, principalmente à noite. noites em que as lágrimas se soltam já com um sabor a revolta, desespero, por tardar a minha vez de me sentir protegida...

De J. Carlos a 20.09.2006 às 09:53

Bem sei que queres que te deixem ficar quieta mas, não querendo animar-te, permite-me dar-te um pouco de colinho, fazer-te umas festas, lamber-te as feridas e dar-te carinho (tudo isto é possível à distância, embora de forma mais difícil).
Minha linda, acho que se tivesses menos uns aninhos e eu fosse teu pai isso se resolvia da forma que descrevi. Porém, agora és uma mulher independente, i.e., lutas a solo na vida, por isso já não é tão fácil ultrapassar as dores. Por vezes, sinto o mesmo.
As boas notícias são que tu foste programada para ser feliz e, ao contrário do que dizes, não passaste pela vida rastejando. Passas pela vida vivendo e, sim, isso inclui comer areia de quando em vez! Ok, às vezes dava jeito o menu variar mais vezes. Mas, olha, não te programes para ultrapassar todos os obstáculos: há alguns que são tão difíceis de ultrapassar que nos consomem demasiados recursos; tenta, ao invés, contorná-los. Se a estrada é sinuosa, não penses: "Não! Isto tem que ter uma auto-estrada! Vou construí-la!". Não penses isso em tudo! Tenta circular pela estrada sinuosa apreciando a paisagem e esquecendo o tempo que perdes ao percorrê-la. Isto é válido para tudo, principalmente para as nossas expectativas!
Por outro lado, tira a armadura de vez em quando, e sê tu própria: até o mais valente dos guerreiros, precisa de descansar! Se calhar, vais ser ferida nesses momentos de descontracção, mas qual é a essência de um corpo isento do mapa de cicatrizes?
Se precisares deixa-te ir mais abaixo um pouco, mas depois... Ânimo! Vá lá! O sol já brilha, o vento já sopra, o cheiro a torradas já enche o ar, os pecadores deste blog já escrevem, a esperança já enche novamente o coração! Agora... enche os pulmões de ar... sustem... sustem...expira! Não penses em mais nada! Não dês azo a que a tua mente pense mais além. Mais além é futuro e tu precisas é de presente. :) Beijos doces,

De karina oliveira a 20.09.2006 às 09:59

Nada do que poderei dizer alivia o que sentes.
Sei como é. Estou precisamente no mesmo pé que tu. Neste momento trabalho para esquecer. Neste momento sou a sombra de mim. Neste momento da minha vida nao espero nada, nem procuro coisa alguma.
Sou o que a vida fez de mim. Sinto que o meu caminho foi todo mal traçado... Mas vivo com a consciencia que dei sempre o meu melhor, nunca magoei ninguem com intenção.
E hoje apenas quero que saibas que estou aqui, se precisares e quiseres a minha amizade. Prometo ficar em silencio.

Um enorme beijo e um abraço mt apertado e frágil.

De Ana a 20.09.2006 às 12:29

Minha querida como te entendo bem. Diferente de ti tenho uma filhaque me ocupa mto tempo e

De Lua a 20.09.2006 às 13:23

Oi Ana. Gosto muito deste blog. Muitas coisas que a Raquel escreve encaixam perfeitamente em mim. Mas o que mais me surpreende são as pessoas que vêm cá comentar. Parecemos todas com a mesma sina... Será que não há já mais esperança no amor, confiança entre dois, cumplicidade, companheirismo? Custa-me a acreditar nas relações e com o tempo a passar fico cada vez mais céptica. Tenho duas meninas. De dia ocupada com tudo. De noite....

De Rui a 20.09.2006 às 14:36

Sei que o que vou começar por escrever não vem muito a propósito, nem sequer te serve de consolo, mas tenho que te dizer que é nestas alturas da tua vida que produzes dos textos mais sublimes que possivelmente já escreveste.

Á minha maneira, fiquei comovido com o que te vai na alma. Despertas em mim o instinto paternal, protector, ao ler-te senti uma vontade imensa de te abraçar, de te envolver nos meus braços, como que se por magia, eu tivesse o poder de acabar com o teu sofrimento simplesmente por encostar a tua cabeça no meu peito.

Sinto agora, mais que das outras vezes, grande dificuldade em encontrar palavras para escrever algo que te conforte, algo que sirva para te fazer sentir melhor em vez de te fazer somente perder tempo.

“Não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe”

Independentemente do que te tenha acontecido, quero que saibas que não estás completamente só, quero que saibas que és especial e que por isso muitas pessoas admiram-te e outras invejam-te. Concentra-te nas primeiras e esquece as segundas.
Podes sentir-te um pouco à deriva, não há mal nenhum nisso, parar é que é um erro fatal. Colocas questões a ti própria e isso para mim já é um bom sinal. Podes não ter as respostas a todas as tuas perguntas, podes não saber o que queres, o importante mesmo é saber o que não queres.

“Tudo aquilo que não te mata só te torna mais forte”

Sei que estas a atravessar uma fase má, mas tal como tu própria o dizes, foste construída para durar e para resistir aos embates da vida. Lambe agora as tuas feridas e levanta-te. Há um mundo de coisas, que só tu podes fazer. Depois disto tudo passar vais olhar para trás e vais sentir-te mais forte, vais seguir em frente, vais viver. Mais céptica? Talvez. Desejando acreditar? Sempre!

De carla a 20.09.2006 às 16:24

Queria encontrar as palavras mágicas que curam essas fases de fragilidade. Aplicava-as a mim mesma e oferecia a quem delas precisasse. O teu texto descreve muitas das minhas noites de entrega à derrota, eu mesma não escreveria palavras tão certas,tão sentidas. Quando o sono vem é tão mais fácil viver. tal como tu, tenho um programa que não me deixa desistir e muito menos dar a conhecer o meu lado frágil, e é tão duro ser-se duro.. às vezes queria mostrar esse meu lado e deixar que alguém tomasse as rédeas. mas não posso, não devo, não confio... repito a mim mesma milhões de vezes: o sol brilha mesmo encoberto, amanhã é outro dia, um de cada vez..e quando acordo com as olheiras de uma noite de lagrimas e soluços, Detesto! mas não desisto apesar da vontade de o fazer.. também sei que nestas fases tudo o que nos digam entra e sai sem sentido mas mesmo assim, muita força! acredito que és como eu, temos a capacidade de nos curar e renovar rapidamente..

De Vera a 20.09.2006 às 16:35

"Só existem dois dias no ano em que nada pode ser feito. Um chama-se ontem e o outro chama-se amanhã, portanto, hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver" - Dalai Lama

Diz lá


Pág. 1/8



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D