Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Indecisão...

Confessado por Mulherde30, em 03.10.05

CA6BKL69.jpg


A mala está pronta...

Talvez amanhã, ao acordar, o meu coração me diga se devo partir ou ficar.
Estou dividida. Tenho a mesma vontade de te ver como a de deixar ficar tudo assim, arrumadinho na memória...como até hoje.

Eu sei que me queres aí. Sei que me queres ver...rever e reviver. Mas até que ponto se pode pegar numa história passada e colocá-la no nosso presente com a mesma intensidade?

Sei que as lembranças te pregam partidas. Acontece-me o mesmo. De quando em vez, do nada, vens-me à memória. E volto lá atrás, a uma época em que o destino nos colocou no mesmo caminho. Mas foram dias, apenas dias....e vejo-te a tocares a tua viola para mim, o teu dedilhar de emoção que tanto me enternecia. E ouço-te a cantar um fado. Até hoje, vê tu, quando ouço um fado me comovo, e penso em ti. Foste tu que me ensinaste a gostar.
Vejo-te de novo comigo e em mim. Vejo de novo a praia à noite, o teu toque, o teu olhar da cor do mar que te pôs na minha jornada. Recordo o teu sorriso, sempre suspenso...como tudo o que estávamos a viver. Recordo o teu cheiro. Acreditas? O teu cheiro que ficava entranhado na minha pele... cinco anos depois. E foi tão pouco tempo!

Como pode ficar alguem preso a nós, quando passou de raspão na nossa vida? Há as pessoas que são partes de nós, há as outras que partem de nós...e nós partimos, um do outro, tu para viveres uma vida, eu outra. Inevitavelmente as nossas partes partiram-se e partiram.


Olha para nós, agora. Cinco anos depois ainda a lembrar o outro. Olha para nós agora que tão poucas vezes nos falamos e vem assim um desejo de nos perdermos outra vez. Olha para ti agora a ligares, uma vez mais, a dizeres-me: vem. A fazeres o que sempre fazes quando a vida te maltrata...quando num misto de carinho e saudade pensas em mim. E eu sempre a dizer que não, que não posso, que não devo. Sempre a recusar... mas sem nunca ter coragem para te mentir e dizer que não quero.

E continuamos assim, de longe, a gostar devagarinho. Um gostar de criança que nunca aprendeu a amar...

E olha para mim agora, outra vez, a ponderar se devo ou não ir. Se quero ir ou não.
Por medo. Medo que depois a memória não continue com este carinho, que se altere depois de te ver outra vez. Olha para mim, agora. Dividida entre a vontade e o medo.

Não sabias, pois não? Nunca soubeste que aqui dentro pudesse existir o medo. Viste-me como mulher altiva, sempre. Mulher que corria pelos desejos sem reparar nos olhares que criticavam pela inveja de não terem a mesma coragem. Mulher corajosa. E hoje, olha para mim....sem saber se pego na mala e parto, para ir aí, ter contigo.
Como me verás agora? Aquela que conheceste só deixou aqui um bocadinho. E como estarás tu agora?
E se me perco? E se não quero mais voltar?

Talvez amanhã já saiba...hoje, rodopiam os pensamentos em mim. Gosto-te. Tu sabes. Será este gostar suficientemente forte para arriscar a transformação de memórias?
E se tudo for de novo perfeito demais?

Talvez amanhã, ao acordar, saiba se devo e se quero partir. Hoje não. Hoje não sei...


Talvez amanhã....sim, amanhã.

O ultimo combóio parte da estação às 20.55m.

publicado às 22:50


Confessionário

De ana a 03.10.2005 às 23:31

rakel..li o teu blog....fizeste-me pensar em alguem que conheço..eu
decide com o coração..o amor não bate duas vezes á nossa porta. Felicidades

De ANA a 03.10.2005 às 23:43

...porquê :( Repensa...e se tiver que ser a partida...que seja..! Que a tua (in)decisão... seja a "mais acertada". Sê Feliz, Xi. ANA

De Manu a 04.10.2005 às 00:08

Como eu te entendo...Uma indecis

De bcool a 04.10.2005 às 00:21

ficamos em suspenso

De Poeta_ a 04.10.2005 às 01:10

Hello Raquel! [UMA DA MANHà UM TOQUE, UM BRILHO NO OLHAR DUAS DA MANHà DOIS DEDOS DE MAGIA ÀS DUAS POR TRÊS QUEM SABE ONDE ISTO IRÁ PARAR QUATRO DA MANHà CAINDO UM LUAR DE LUA LINDO UMA GOTA A MAIS E O CHÃO IA FUGINDO/ UMA DA MANHà BEM BOM DUAS DA MANHà BEM BOM JÁ TRÊS DA MANHà BEM BOM QUATRO DA MANHà BEM BOM CINCO DA MANHà BEM BOM JÁ SEIS DA MANHà BEM BOM SETE DA MANHà BEM BOM OITO DA MANHà BEM BOM/CAFÉ DA MANHà P’RA DOIS SEM SABER O QUE VIRÁ DEPOIS BEM BOM CINCO DA MANHà AI SIM CORAÇÃO SIGO O BATER DAS SEIS E MEIA DE LOUCURA SETE DA MANHà OUVINDO UM DISCO ANTIGO «HOJE É O PRIMEIRO DIA DO RESTO DA TUA VIDA» SÃO HORAS A MAIS E JÁ NÃO HÁ SAÍDA] Depois de noite destas, de certeza que tomas a decisão certa... hehehehehehe. Bjs PS1: Indecisões à parte, se decidires ir não te esqueças que a CP agora é pontual. Cuidado com os azares. PS2: Se ficares, tens sempre as ‘gajas’ amigas e a barra. hehehehehe

De Poeta_ a 04.10.2005 às 01:13

correcção: '(...)Depois de uma noite destas(...)'

De i-de-dumyrox a 04.10.2005 às 07:48

VAI!...
“E continuamos assim, de longe, a gostar devagarinho. Um gostar de criança que nunca aprendeu a amar...” Definitivamente rendido ao teu encanto literário e emocional, julgo que passo a ser mais um dos teus leitores habituais, pelo que adopto um nick que (eventualmente) te reporte o meu primeiro comentário, passando de “José” a “i-de-dumyrox”. A passagem do teu texto que acima transcrevo deixou-me definitivamente rendido, acho que foi a gota.
VAI!... Conheces o chamado “Efeito Borboleta” (Edward Lorenz: "Previsibilidade: pode o bater de asas de uma borboleta no Brasil desencadear um tornado no Texas?"), daquela coisa da Teoria do Caos, da previsibilidade/imprevisibilidade de sistemas muito complexos? Deixa-me dizer-te, do alto destes meus quase 42, que, por vezes, grandes decisões não alteram por aí e além os percursos do futuro e, por vezes, pequenas coisas alteram tudo o que seria de prever. Isto é, previsibilidade é coisa que não mora muito nas nossas vidas; “sistemas deveras complexos”…
E depois, gostaste do queijinho, não foi?... Hummm! Ainda sentes o deleite daquele cremoso aveludado no céu-da-boca! Hummm! Pois é, mas a barriga já vai estando vazia e, na verdade, aquele cremoso é já só uma memória e as memórias valem o que valem (Hummm!), mas não mais que isso (Hummm!). E não se papa o mesmo queijinho duas vezes. Papa-se, quanto muito, os consecutivos queijinhos da mesma fábrica, que vão perdendo (ou mudando, na melhor hipótese) o seu encanto, ao longo de uma vida quase inteira. Possivelmente, o que irá ficar depois é apenas uma nova memória desse cremoso aveludado (Hummm!), na realidade muito menos delicioso do que a enfeitiçada memória anterior (Hummm!, mais uma vez). Ou pior, um desagradável bocado agarrado a um dente que te vai irritar e desesperar por um bom bocado, mas depois será ele também só uma memória… Mas, na verdade, só saberás mesmo como é se lhe deres a dentada de novo, conquanto no conhecimento de que não será nunca o mesmo; o Presente não tem tempo de bulir no encanto da memória… Bem, a não ser que já vás gostando mesmo é da barriga vazia. Também acontece :-D
A propósito da fotografia, vou tomar a liberdade de te enviar uma por e-mail. Talvez gostes. Bjs.

De i-de-dumyrox a 04.10.2005 às 09:00

P.S. Vai! Não vás! Parte a louça toda, atina feito menina. Casa e arranja uma ninhada de putos, salta libertina de paixão em paixão. Faz o que te dizem ou faz o que der da real gana. Faças o que fizeres, seja pra cá seja pra lá, não percas o que quer que seja que te conduz a estes textos. E, já agora, vê lá se manténs este blog mais algum tempinho que eu só 'inda agora cheguei ;-) Bjs

De Passo a 04.10.2005 às 09:11

decisao dificil essa ... as vezes a melhor amneira de enfrentar os medos é vive-los .. mas tb eu na sou, nem gosto nada, bom a dar comselhos ... kem sabe hoje depois de consultada a almofada n estejas em melhores decisoes de decidires oq te vai na alma, no coração na vontade ... seja lá p q decidires nc te arrependas :) beijos

De Zion a 04.10.2005 às 09:13

Linda Raquel, quem sou eu para te dar conselhos? Mas ao ler o teu texto só tenho uma vontade: dizer-te para ires a correr muito (para não perder o comboio!). Não tenhas medo de sofrer ou de ser feliz, tanto um como outro fazem parte da dança da vida. Acho q mais vale te arrependeres por algo q fizeste do que por algo que não fizeste. Não vais passar o feriado a pensar "eu podia estar tão aconchegadinha a esta hora!", pois não? Então faz favor de aproveitar a vida antes q ela se aproveite de ti. Bjs

Diz lá


Pág. 1/6



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D