Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



MUNDO PODRE

Confessado por Mulherde30, em 31.10.04

A verdade é que não consigo ver o mundo e atribuir-lhe outro adjectivo. Anda meio mundo a enganar outro meio e isso todos sabemos, o triste é que os que andam a ser enganados não o sabem...
As vendas que usamos não nos deixam ver mais alem. Só nós, só o espelho. E o irmão, o amigo, o colega, o vizinho, o desconhecido? Egoísmo. Puro.Não percebemos os sinais. Eu não percebo os sinais...

Hoje à tarde, dei por mim a pensar isso mesmo. Olhei para uma pessoa tão desconhecida e vi um olhar tão triste, um olhar de abandono, de fim de linha... que dor, que medos, que solidão, que segredos encerra em si este rosto? Que não conheço?
Era tão fácil se pudéssemos dividir o fardo que carregamos... era tão bom que pudéssemos tirar a alguem metade do peso que arrastam consigo e fazermos ao lado deles pelo menos metade do caminho...

Sei que o sofrimento nos ajuda a sermos o que somos, mas e quando as costas são frágeis e nos deixamos dominar pela dor? Quando o peito quer rebentar de solidão e olhamos à nossa volta e vimos ninguem? Quando sabemos que o nosso destino é ver os outros viver enquanto passamos uma vida à espera... à espera de quê? De nada... Quando deixamos de acreditar que alguem possa ser nosso amigo sem cobranças, sem interesse, alguem que seja só isso: AMIGO.
Quando a esperança morre antes mesmo de nascer e todos os pedidos de ajuda apenas com um olhar estão desde o inicio condenados ao fracasso?
Eles chegam ao fim da linha, essa ténue linha que divide o viver do estar vivo, a vida da morte e nem sempre decidem o correcto, quase sempre se opta pelo mais fácil...

Quando o vazio interior é imenso, uma voz pode ser toda a diferença. Às vezes perdemos o rumo e isso não causa medo... Perdermo-nos é fácil, o terrivel é quando nos encontramos e não sabemos o que fazer com aquela pessoa que afinal somos, na qual nos tornámos.
Quantas pessoas ao nosso redor estão nessa beira de abismo? Quantas querem saltar e têm medo? Quantas saltam sem olhar para trás? Quantas esperam que no ultimo momento ouçam alguem chamar por elas? Quantas se sentem tão divididas entre o ficar para ver ou o fechar os olhos e saltar...

"se adormeceres,
os teus livros vão ficar por ler...
e se beberes,
os sentidos vais perder...
e se a noite pode ser longa,
e não mais acordares...
se o ontem esteve mais perto
não soubeste agradar...
e se caires ao saltar
ninguem te vai levantar..."

A letra de uma musica por vezes parece ser escrita a pensar em nós, isso significa que não estamos sozinhos, nunca estamos, há outros como nós, que guardam em si algo tão grande que muitas vezes nem o podem dividir.
O sofrimento é assim, ou nos deixamos esmagar por ele e morremos, ou enfrentamos e amadurecemos.

Tudo isto pelos olhos tristes que vi, que tanta vontade tive para sorrir, para entrar nos seus pensamentos, para falar, para ouvir apenas... e tive medo. E esse medo apenas me fez ficar quieta. E agora esse medo pesa em mim... e já não posso voltar atrás.
Quem sabe teria feito essa pessoa sorrir outra vez, quem sabe seria apenas o ter alguem perto dela o suficiente para decidir se tentava ou saltava?

O mundo é podre e eu faço parte dessa podridão...

publicado às 00:34


Confessionário

De Ringthane a 24.03.2005 às 16:01

Nos primeiros dias tb eu via assim.

De rakel30@sapo.pt a 10.04.2005 às 13:39

P/ RINGTHANE: e é triste...não concordas?...b'jinhos

De _Wolfgang a 16.02.2006 às 20:45

Cru, visceral, mais próximo de uma verdade? menos poluído por outras sociais? ou apenas um grito po buraco?

Diz lá



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D