Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O outro lado...

Confessado por Mulherde30, em 27.01.09

Cemiterio_Consolacao13.jpg
Fotografia:?


Hoje fui a um funeral.
Não que tivesse uma relação chegada com a pessoa. Mas conhecia e admirava. E achei que devia ir. E fui.
Não levei flores. Se durante uma vida nunca lhe ofereci nada, não seria na morte...
No fundo é tudo tão fugaz...

Serve um pouco de consolo saber que morreu a fazer algo que adorava. Poucos podem ter o mesmo fim.

Mas não é de morte que quero falar. Até porque morte é fim. Dizem uns. E inicio dizem outros. Os crentes.

Quero falar, isso sim, de tudo o que envolve uma morte.

A presão que "os outros" exercem sobre os mais chegados. É tudo avaliado ao pormenor. Como se esses "outros" tivessem a obrigação de colocar caras com ar desfeito e fincar pé em casa da viúva. Só para ter a certeza que ela não dorme, não come. Convém que chore e grite muito e vista o preto. Se fizer algo que não seja isto é porque não gostava assim tanto dele.
Ficam ali, como abutres para ter a certeza que a dor se expressa desta forma e não doutra. Como se fossem espiões da moral e dos bons costumes. Fracos. Que no nada que são, buscam as forças no sofrimento de quem os rodeia para terem um pouco de alegria quando amanhã, ou mais tarde, de dedicarem aos comentários.


_________________# silêncio #______________________

Estava ali no cemitério, debaixo de chuva, a pensar nisso. A pensar naquilo que "os outros" fazem para piorar a situação. Se assim não for, é isso que ficrá na lembrança. Na memória de gente pequenina, pequenina, pequenina...

Estava ali, a ver os rostos. Os que se expressam nas lágrimas e os que se remetem ao silêncio. A dor, tal como o amor, tem muitas formas.
E eu ainda. A pensar. A pensar quem estaria por ali, com ar desoldado e que tanto mal lhe desejou em vida.

A pensar que num insante tudo acaba para quem vai. E muito se perde para quem fica.

Ali, a divagar... ainda eu.

Os funerais tambem servem para outras coisas... sorrir, pr exemplo. Ao lembrar de uma ou outra situação. Mas sem que "os outros" vejam para não dizerem depois que ainda nos estamos a rir da situação.
Os funerais servem para libertar lágrimas contidas. Para se chorar os gritos encolhidos no peito.
Chorar por quem vai. Chorar por nós, que ficamos.
Chorar pelos outos que já deixámos partir. Chorar de saudade, pelos que amámos e amamos e não vemos mais.


E chorar ainda mais por medo.
Medo que nos possamos distrair e num segundo, tambem a vida acabe para aqueles que ainda se mantêm pertinho de nós...

publicado às 22:48


Confessionário

De Zita a 28.01.2009 às 13:20

Parabéns! O texto é simples, bonito e totalmente o espelho da nossa (geral) forma de encarar a morte!
Os seus pensamentos encontram eco deste lado!

De Anita a 28.01.2009 às 16:07

Por acaso este é um medo que me persegue constantemente, porque já sofri uma perda inesperada e muito repentina. Já sofri outras perdas, e perdas de outro género, mas a morte, infelizmente, é algo com a qual não sei lidar nada bem. Tenho medo da minha (ou será pena de morrer?), mas tenho muito medo da morte dos que tenho aqui no meu coração e que o mantêm quentinho de carinho e amor... Enfim... é a lei da vida e mais cedo ou mais tarde deparamos-nos com ela. Quanto aos outros: nunca me ralei... Já cheguei a rir à gargalhada num funeral, tal como também o fiz no serviço fúnebre da pessoa mais importante que perdi até hoje: a minha mãe. A dor, tal como dizes, tem muitas formas, e volvidos 16 anos choro muito mais hoje a morte dela, do que chorei quando ela me deixou. Bom... desculpa o desabafo :-$ Há que viver os nossos sentimentos e não em função dos outros... Beijinhos **

De Brain a 29.01.2009 às 23:09

Olá Raquel! Gostaria de te enviar uma coisa. Será que me podes facultar um endereço de email? Obrigado. Beijo.

De mulherde30 a 31.01.2009 às 22:03

P/ZITA: que bom que ao pensar alto, alguem me ouve e percebe o que quero dizer... b'jinhos

De mulherde30 a 31.01.2009 às 22:09

P/ANITA: este lugar não é só para eu falar. É um lugar para criar diálogos, desabafos, partilhas de emoções de experiencias, de sentimentos, de vidas. Não peças desculpa, por favor. Este lugar é muito mais teu que meu. E sim, as perdas maiores que sofremos, sentem-se ainda mais com o passar dos anos. Ao contrario do que nos dizem na altura, que o tempo cura tudo. Mas não... a saudade faz muitas vezes rebentar os muros do peito e fazer-nos chorar. Eu sei do que falas. E obrigatoriamente, quanto mais cedo sentimos uma grande perda, mais depressa crescemos. depois, não há um só dia que não lembremos. Da pessoas e da falta que nos faz... eu sei. B'jinhos

De mulherde30 a 31.01.2009 às 22:11

P/ BRAIN: Olha quem é... que bom ter-te aqui. Espero que o sucesso não te esteja a empatar as visitas aos amigos de sombras! heeheheheheh...o meu mail... é simples. Mas se calhar é mais fácil escrevê-lo que explicar!eheheheheh.. rakel30@sapo.pt B'jinhos

De Blue Sea a 02.02.2009 às 15:30

Olá,é a primeira vez q venho aqui e encontrei este tema que para mim é muito interessante. Acabei de postar um texto sobre a Morte que escrevi quando o meu Pai partiu. Para mim este tema é muito interessante por ser inevitável. Por tudo à nossa volta nos mostrar o ciclo de vida e morte e nós insistirmos em não olhar para ela.
Concordo que o tempo não cura. Só nós podemos curar-nos.
Sobre o riso no cemitério, identifiquei-me bastante. No final do funeral do meu Pai, disse aos meus ex-colegas de trabalho (que foram todos) com um sorriso "Obrigada por terem vindo. Se o meu Pai aqui estivesse ofereciasse para vos pagar um copo, mas como não bebo, dou beijinhos." Olharam-me chocados... Eu a fazer uma piada minutos depois de enterrar o corpo do meu Pai. Sorri de volta: "O meu Pai estava sempre a dizer piadas e gostava de ver as pessoas bem-dispostas. Alegria e boa disposição é o que ele gostava que eu tivesse na minha vida".
Depois disso eu e os meus irmãos, cunhados e uns amigos fomos beber águas para uma esplanada e à noite fomos jantar todos e estivemos até ás 3 da manhã a contar histórias do meu Pai.
Passou um ano e meio e nos meus dias dificeis a saudade do seu abraço aperta, mas estou em paz porque ainda estou a viver o meu luto.
Obrigada pela tua partilha e por poder partilhar.

De Jos a 04.02.2009 às 12:21

J

De NENE a 04.02.2009 às 17:16

Carpe Diem

De mulherde30 a 13.02.2009 às 00:16

P/ BLUE SEA: Sabes? Com o tempo fui percebendo que esses espa

Diz lá


Pág. 1/2



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D