Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O peso do mundo

Confessado por Mulherde30, em 11.04.05

106351.jpg


A vida a todo o instante me prova que uma alegria, mesmo que pequenina, se paga com uma grande dor. E neste instante, o fardo que carrego é pesado demais. Não o quero... queria poder largá-lo numa berma qualquer e seguir caminho.

Posso chorar pela verdade mais cruel, mas a dúvida mata-me aos poucos... e é uma morte cruel.
Aqui posso escrever as palavras que não consigo pronunciar. Aqui não tenho que medir o que digo nem pesar o que penso, aqui posso ser eu, sem fingimento.

Ouço os pedaços de um coração que caem a meus pés e ensurdecem-me.
Deitei-me contigo. E nos teus braços, a minha pele rasgou-se e gritou de desejo...mas ninguem ouviu, nem tu.
Não quiz que fizesses amor, quiz sim que o fizesses comigo. Pedi demais...

Nada pior que se ver num olhar uma desilusão que causámos, ouvir numa voz um arrependimento que não se quer dizer mas que se sente.
Falei o que ninguem ouviu, toquei sem ser sentida...fui um fantasma. E vi uns olhos que me olharam sem me verem.
Eu estive lá, sozinha.

Aqui, a fumar um cigarro sei que a eternidade de dias e de noites já não faz sentido.
Aqui, sei que desejo apenas que tudo se torne depressa em memória... e mesmo que não possa esquecer, pelo menos não lembre.

Cruzei uma linha ténue que divide a amizade dos corpos. Não devia. Mas fiz. Não podia ser de outra maneira.
Desejei-te...dei-me...não te tive. Nem a ti nem respostas a tantas perguntas que ficaram por fazer. Talvez não tenha conseguido explicar... não te pedi amor. Não quiz mais que amizade e ternura. Dei-me por carinho. Abri um pouco do meu mundo...derrubei paredes, subi degraus. E consegui ultrapassar barreiras...tantas!
Só para sentir outra vez... sentir que me posso dar. Consegui isso, nem sei se por ti se por mim.
Na timidez, deixei que o desejo ganhasse a batalha. Fiquei assim, perante ti, nua. Mas tu não viste. Ou viste? Reparaste que mais que corpo fui alma?
Ainda sinto cada toque suave, toque de flor de pele, de pólen...com saudade.
Dei o que sou...talvez tenha dado muito pouco. Ou nada. Talvez tenha nada a dar...talvez por isso as respostas nunca virão. Não fui o que esperavas ou o que desejavas. Mas estar tanto tempo só, inibe-nos e a libertação demora... fui o que consegui.

Quem sabe um dia me lembres. Do cheiro, do toque...ou saibas quantas barreiras tive que ultrapassar para poder estar contigo. Quem sabe um dia, com outro alguem, possas saber o que sinto, a dor que nos aperta a alma que não nos deixa respirar...só porque queremos saber o que ninguém nos diz.
Não basta só sentir...as palavras existem. Sinto-me a assistir a um filme mudo... de que vale um sentimento se não se fala dele? Vale quase nada... Sentir, só, não basta.
Libertei-me de orgasmos contidos, de desejos reprimidos. Talvez quem sabe assim percebas que um olhar nos pode trazer o peso do mundo quando vimos um quase desprezo por termos cruzado uma linha que não nos era permitido cruzar.

A vida pode ser um jogo, mas eu não sei jogar. Não sei deixar desejos pelas metades, histórias por acabar.
O destino provoca encontros e tambem erra. Eu não sei se escolhi a pessoa errada ou se a pessoa errada sou eu.

Mas já não procuro nada, já nada espero. Já não quero as respostas que não vieram, que escondeste em ti.
Há silêncios que doem tanto...tanto!
Perdoa-me.


E como confissão: faria tudo outra vez...mesmo sabendo que este era o preço a pagar. Podes ir...leva na bagagem o desprezo, o desalento, a decepção. Leva contigo as palavras que já não quero ouvir... leva tudo. E se não for pedir muito, leva tambem esta tristeza, não a quero. Vai...
Neste instante, sei que chegou a hora de poder, finalmente, deixar-te partir...

publicado às 12:40


Confessionário

De Zuco a 11.04.2005 às 12:48

"S

De mokomaori a 11.04.2005 às 13:18

olha..vou berrar, ok?
AIPORRARAÇADAGAJAQUECOISAAAAAAACARAÇASPÁ....se aqui estivesse, ao pé de mim, à minha frente, quando leio isto, dava-te um beijo na boca, assim, grande e assolapado, nao para te engatar, nao porque estas sensivel, nao para te seduzir, mas sim para te mostrar que a vida continua e tu estas viva..manda-te para a frente... vive.. esquece lá isso...beijinho (este decente...)

De anna a 11.04.2005 às 14:21

Faz já algum tempo que visito o teu Blog. Mais assiduamente, após um amigo (que desconhecia esse facto) me ter sugerido uma passagem por aqui. Porque a pessoa que escrevia se assemelhava muito a mim, na forma de sentir, pensar, de se ver e mostrar aos outros. Ele tinha / tem razão. Hoje, particularmente, o texto que escreveste "não me surpreendeu". Foi como já soubesse que era isto mesmo que irias escrever, passo por passo. Palavra por palavra. Estranho,talvez, ..., acho que foi mera intuição. Por isso, não resisti em comentar. Foi dos textos que melhor escreveste. Todo ele é um fluir de emoções. Parabéns pela mulher que és. Continuação de bons textos.

De Airamez a 11.04.2005 às 15:18

De OlhoVivo a 11.04.2005 às 15:23

De Aragana a 11.04.2005 às 15:29

"Há silêncios que doem tanto" - há silencios que doem mais que qualquer palavra má... acho que há entregas que fazemos por motivos que a nossa razão deconhece. Talvez só para ver se ainda se é capaz... mas depois... depois. O resto já tu o disseste... porque há palavras escondidas dentro das palavras. BJ

De Mais Interior a 11.04.2005 às 15:34

Não tenho nada de jeito para te dizer a não ser que... continuas linda.
(E este texto, apesar de não o dizeres, parece descrever um parto... foi?
Se calhar já és livre e ainda não tiveste tempo de te aperceber de que lá fora já é Primavera!)
beijo, nuno

De arqpatricio a 11.04.2005 às 16:46

apenas quero deixar aqui o silencio do meu pensamento, a interrogaçao do meu olhar, a amizade do meu sorriso.

De Linger a 11.04.2005 às 16:53

Olá Raquel,como teu novo disco Jokey recomendo para este texo talvez o tema "Love of my Life" dos Queen...possivelmente depois de o ler tenho em mente o "The Show Must go On"...Considero que devias tentar ser mais positiva em relação ao amor.
beijos.

De Alexandra a 11.04.2005 às 18:13

Nem sei o que dizer... parece a minha história, mas isso já disse, já disseram outros... Espero que esse sentimento passe depressa, esquecer.. não dá, mas pelo menos deixa de doer. Beijinho


Diz lá


Pág. 1/6



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D