Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Queria falar-te...

Confessado por Mulherde30, em 01.03.07

distancia.jpg
Fotografia: Gonçalves


Apago a luz. Deixo-me envolver pelo luar que me chega pelo vidro da janela. Fico sossegada, a ver pontos brilhantes no céu. Estrelas… tantas. Tão distantes e mesmo assim, mesmo assim, parece que basta colocar-me nas pontas dos pés para roubar uma que dê brilho ao meu olhar.

Assim no escuro, só quero deixar de sentir. Adormecer como que embalada nas asas de anjo e ao acordar, que tudo fosse diferente. Conseguir perder-me em corpos estranhos nas noites perdidas que sucedem os dias, sem sentir depois, um travo amargo na boca, a errado. Abrir de vez as portas que mantenho entreabertas há tempo demais. Pelo medo de tentar e perder, pelo medo de arriscar, ao mesmo tempo que vem cá de dentro algo inexplicável que me diz para ir, para não ter medo de perder o pé, para saltar e deixar-me cair. Escancarar o peito e gritar o que sou. Sem pensar que fico exposta, delicada ou carente.


Esta noite não quero uma música que toca baixinho, que põe à prova os meus sentidos. Desligo o telefone porque não quero ouvir a voz dos outros. Não quero água quente em banhos demorados, nem luz de velas, nem desejos satânicos a povoarem-me os pensamentos. Não quero um café nem livros no regaço. Não quero nada mais além de mim, não quero outras histórias, outras vozes nem outras vidas.
E deixo-me ficar assim, ouvindo de quando em vez os sons dos bichos nocturnos. Quieta. Também eu animal da noite.
Quero silêncio. Para me ouvir. Para assimilar os dias intensos e perceber o que sinto. Para entender, ou simplesmente aceitar. Talvez, quem sabe assim, no silêncio, possa escutar o que o coração me grita desalmadamente, sem sossego…

Queria dizer talvez, que tenho a vida presa nas mãos vazias. Que amanhã não estarei aqui e tudo ficará num lugar escuro, como se nunca nada tivesse existido antes. Tudo o que sonhei, o que desejei e o que vivi. Resumido a nada.
E nesta vida à qual me agarro, há horas em que nada posso fazer. Como se nenhum gesto houvesse para mudar o rumo das coisas, percorrendo o mundo fingindo que navego. E de repente sou vagabundo, rei num palácio de cristal. Uma vida tão cheia, sentindo-me eu tão cheia de nada. Aceitando quando os outros decidem essa vida por mim. A revoltar-me quando me dizem que o que tiver que ser, será. Como se existisse um destino cruel que me obrigasse, de um lugar que não alcanço, a viver em função da sua vontade. E cá dentro, não aceito. Não quero isso para mim. Eu posso escolher… mesmo que muitas vezes as minhas escolhas passem pelas escolhas dos outros. Falar de quando me sinto me errada e perdedora, quando nada bate certo.
E as horas em que aceito a vida assim, conformada, quando só me apetece gritar-lhe, contrariar o mundo, revoltada, e dizer-lhe que não, que não é bem assim. Dizer-lhe que eu sou capaz, que a vontade faz metade do caminho, que é possível. Mas olho ao redor. E afinal, estou sozinha. Já nada fica tão simples …

Queria falar das horas em que amarro a vontade de chorar. Que sinto um nó na garganta, um aperto no estômago que sufoca, como uma angustia que mói devagar. Ou falar de quando me rendo às lágrimas, vencida. Dizer que muitas vezes choro por me sentir feliz e outras rio com uma vontade que me rebenta por dentro, de chorar.

Queria falar do que sou. Daquilo que vai alem do que os olhos do mundo conseguem alcançar. Que sou mar revolto em dias de tempestade, mar calmo que apazigua o peito, que sou palavras e imensidão. Que estou viva e envolvo as mãos na terra onde planto girassóis para depois pintar na janela o sorriso da alma.

Queria falar das crianças que não tive, desse amor que não dei, que não conheço, que não sei como é. Desse amor maior, que nada espera. Dizer que não construí um lar recheado de cumplicidade porque não me foi permitido. Que sou anjo ferido na asa, que não posso voar.

Queria falar da coragem que carrego algures e por vezes não sei onde está. Ou das horas de fraqueza, quando dou por mim a seguir caminhos por onde quero, mas não devo ir.
Queria falar das coisas grandes que trago em mim. Das boas e das outras… de tudo aquilo que por ser maior não se pode quantificar. As coisas que sinto, apenas porque sim. Sem motivo, sem razão.

Queria falar da religião que não tenho, ou da fé que não me abandona. Que sempre me faz acreditar na possibilidade do impossível. Que me faz lutar por causas perdidas apenas porque acredito, outras vezes desistir quando já não tenho força ou percebo que certas lutas, afinal, não valem a pena.

Queria falar da solidão que carrego, por sentir que me faz falta a outra metade de mim. Ou apenas dizer que há momentos em que o tempo me prova que não volta atrás e que eu já nem sequer quero seguir em frente. Porque me vejo em encruzilhadas sem saídas que não me deixam escolher. Das horas em que não é tanto assim, que não estou só, que se estou, me habituei. E deixo de pensar nisso.

Queria falar das oportunidades que me recusaram, que eu recusei, e das outras, que neguei. Falar dos momentos em que só desejo outra chance da vida para voltar atrás e quem sabe, fazer tudo outra vez. Re-fazer. Re-sentir. Re-viver. Mas na plenitude, no melhor daquilo que posso ser.

Queria falar de todos os amores que carrego no peito. Dos que senti sem viver, dos que podiam ter sido e não foram, das esperas onde me vi esquecida. Dos amores grandes e dos encantos. Dos arrebatadores que nos levam a alma e dos envoltos em algodão doce. Das saudades que sinto de todos os amores que ainda não vivi. Dos que não vivi porque não me permitiram, dos que desisti por me obrigarem a deixá-los partir. Dos amores que morreram à nascença, dos amores com um fim determinado, antes ainda de existirem. Dos que não se tentaram, dos que ficaram no escuro de quartos de hotel que nunca viveram a luz, que ficaram nas sombras. E na memória. Dos homens que nunca consegui amar, dos que nunca consegui que me amassem. Dos que amei e perdi. Dizer baixinho, no silêncio, que a linha que separa o querer bem do querer demais, é ténue.

Queria falar que sou pássaro que voa solto para lugar nenhum. Que o meu coração é triste, mas livre e que o meu olhar não pertence a ninguém. Da liberdade que sinto e não sei o que quer dizer, nem o que fazer com ela. Das horas que estendo as asas ao vento e plano lá no alto do mundo, misturada no azul altivo do céu, mergulhando no profundo azul do mar. E falar das outras horas em que sou apenas uma alga sozinha e esquecida, perdida na orla da praia depois que baixa a maré.

Queria falar da vontade de partir. De fugir. De continuar a ser nada em qualquer outro lugar. Ir embora sem olhar para trás. Desprender-me da vida como a conheço e deixar-me levar, para longe. Abandonar-me numa qualquer berma de estrada, esquecer-me e seguir sem nunca me arrepender. Sentir que não devia, mas fiz. E renascer, depois.

Queria falar de quando sou frágil, quando preciso do abraço apertado que não tenho, quando sinto o desejo do amor não existente. Da angustia que corrói o peito, devagar. Como se começasse a morrer muito antes da vida terminar.

Queria falar de quando sou jangada à deriva no alto mar, quando o céu é negro de nuvens carregadas. Quando as ondas me ameaçam derrubar e eu, sem bússola nem porto seguro, me deixo ir. Agarrando-me àquilo que sou, cá por dentro, acreditando que a vida não pode ser só isto. Que a tempestade, irá passar.

Queria falar dos muros que o medo constrói em torno de mim, das amarras indeléveis que me prendem. E das muralhas em torno dos outros, das quais me sinto refém, mesmo estando do lado livre da barreira intransponível. Falar dos nós e dos laços que nem sempre nos deixam voar, que vivemos entrelaçados como braços que nos agarram e não nos deixam soltar. Os nós do medo… que nos aprisionam e sem darmos conta, prendem os outros que já se sentem prontos a voar.

Queria falar das coisas grandes que não me cabem no peito. Falar que estou confusa e triste… que faço mantas de retalhos de memórias numa forma vã de não chorar.
Queria falar de coisas que não se dizem, mesmo querendo. Do que é imenso e não existem as palavras certas para explicar. Porque as coisas grandes exigem palavras ainda maiores, e são pequenas, as que conheço.

Queria falar mas não o faço. Fico no silêncio a ouvir o que tenho a dizer, a escutar-me. A procurar-me. A tentar perceber onde me perdi.
Queria falar mas nada tenho a dizer. Não tenho voz nem vontade. Não encontro as palavras que perdi. E cansada, acabo por desistir.

Juro que queria falar… de amor e de tudo que é sublime… mas não sou capaz.

publicado às 20:30


Confessionário

De conde a 01.03.2007 às 23:09

Estou aqui a olhar para o teu texto,miro a foto,oiço a musicae não sei que dizer,sinto a solidão,sinto medo,nostalgia,mas,não sinto raiva raiva raiva , e, talvez,se sentisses raiva,de punho fechado e olhar felino,partisses para a luta,porque para ti,tu tens que ser o centro do universo.Até á proxima minha linda.

De Rui Rocha a 01.03.2007 às 23:26

BRILHANTE! Rapariga, não deixes a porta da alma se fechar. Por vezes faz bem encostá-la e criar um pouco de privacidade, saboriar o silêncio e ver o mundo crescer, mas de seguida é necessário levantar abrir a janela e respirar o ar puro da manhã. Deixar o sol magrugador aquecer a alma e criar vontade de lutar, dar a volta, não há nada que possa ser mais forte que a nossa vontade de sermos felizes. Já sabes, levanta-te vai à janela da alma, respira fundo e dá os passos em frente que tens para dar hoje. Caminha em direcção à tua felicidade e encontrarás o que procuras.

De nene a 02.03.2007 às 10:11

BoaZona, não vou falar em nada apenas encostar a tua cabeça no meu ombro e acariciar o teu cabelo longo em gesto de amizade. 1Beijo apertado.

De waterfall a 02.03.2007 às 10:26

De uma forma ou de outra, todos nós andamos perdidos. E não é necessário procurar o momento em que nos perdemos, basta assumir que a vida é um imenso labirinto e que temos que tirar partido dele, dos desafios, das escolhas dos percursos e das pessoas que encontramos ou não encontramos. Espero que no próximo cruzamento encontres alguém tão perdido como tu, com a qual te possas perder, mas não páres, anda sempre para a frente.

De euzinha a 02.03.2007 às 14:06

Mesmo sem quereres falar...consegues transmitir o que te vai na alma através dos teus textos!De todo o modo e mesmo que o cansaço aperte gaja que é gaja não desiste...apenas muda de objectivos;)B'jinhos

De Diana a 02.03.2007 às 15:02

Lindo. Muito triste, também.. Neste mundo onde tudo é descartável, superficial e ocasional, ás vezes só precisamos que alguém se dê ao trabalho de parar um pouco, para nos conhecer, para nos compreender e para nos amar. Assim simplesmente, sem jogos esquisitos ou interesses escondidos, porque tu mereces mais. Será assim tão difícil? Que espécie de medo é este que impede as pessoas de se darem, de se entregarem de corpo e alma? Medo de sofrer? Mas a vida é mesmo assim, feita de dores e alegrias. Se não sentimos não sofremos, mas também não vivemos. Uma alma como a tua, querida mulher de 30, pode ser rara, e até aceito que esteja em vias de extinção. Mas quero acreditar que há mais como tu, que um dia irás encontrar alguém que preencha o teu vazio e que te mereça. Coragem! Um beijo grande.


De Brain a 02.03.2007 às 15:43

Raquel, todos nós temos algures na vida, momentos assim. Mas poucos conseguem captá-los na plenitude como tu, que tão bem te conheces, e que complementarmente tão bem o transmites. Podes até por vezes sentir-te só, porque o monitor de um computador é algo muito impessoal, mas no entanto... no entanto por vezes, consegue encher-nos o peito e o ego e com isso, conseguimos ganhar um novo alento. Gosto de te ler, gosto do que escreves e como escreves, mas sobretudo, tenho a plena convicção de que, se te conhecesse, gostaria ainda mais de ti. Não me interpretes mal, apenas te pretendo transmitir que pelo que leio, te acho um ser maravilhoso e admirável. Espero que esta onda, seja de maré a vazar e que passe depressa. Beijo.

De M a 02.03.2007 às 19:02

Rakel,
Que texto bonito e triste.
Entendo-te perfeitamente porque passo um periodo parecido. Nada parece fazer sentido. Só o vazio. Tudo foi em vão, sem sentido, e olhamos o futuro e não vemos uma luz que nos guie, não encontramos um corpo quente que nos aqueça e nos tire do gelo que nos rodeia. É como se estivessemos num deserto gelado, olhando em volta e não vendo ninguém. Nem sentindo nada.
Mas isto é injusto. Há sempre alguém pronto a esticar a mão na nossa direcção. Talvez não seja o calor que procuramos mas é uma ajuda. Não chega nos querermos as coisas, não chega a nossa vontade. Há outras vontades que precisam de acontecer para que o que desejamos aconteça. Nunca está só na nossa mão. Raras são as coisas que estão só nas nossas mãos. Temos de perceber isso e aceitar que a vida é mesmo assim.
Não te conheço mas quem escreve assim tem de ser uma pessoa especial. Tens simplicidade e beleza no que escreves. Isso são coisas tuas, que te saiem de dentro e têm muito valor. Tens de ter calma e perceber que a vida é feita de ciclos. Uns grandes, outros pequenos, uns bons, outros menos bons. O importante é estarmos vivos. Ainda és jovem (se estás na casa dos 30...) e tens muita vida à tua frente. Olha em redor e verás muita gente que te aprecia (basta ler o que aqui escrevem). Já me habituei a vir ao teu cantinho, todos os dias. Quando ficas ausente algum tempo, sinto a falta de te ler. Isso quer dizer alguma coisa, não achas? Tens valor. Mesmo sem te conhecerem, procuram-te. Não te deixes ir abaixo com um ou outro memento menos bom. Onde está a Pocahontas do outro dia? Vamos a trazê-la de volta. Onde está quem dizia que há coisas fantásticas para fazer à chuva? Onde está a pessoa que queria viver e que queria voar (na noite dos encalhados)?
Sonha, mas com os pés na terra. Vive com os pés na terra. Se tens duvidas, compra um espelho que mostre quem tu és, por dentro e por fora. Abre-te ao que te rodeia e aproveita.
Vive e deixa viverem contigo também.
Um beijinho, miuda nos 30s!
Bom fim-de-semana.

De bmal a 02.03.2007 às 19:21

Bem! Só te tenho a dizer para libertares a Alma dessa cadeia de sequencias, sem dar frutos!!!
Posso dar-te uma ajuda?
Podemos criar uma turma de pestinhas, em casa.Basta pedir apoio comunitário,para 2 ou 3 mulekkess!!!

De conde a 03.03.2007 às 00:19

N

Diz lá


Pág. 1/6



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D