Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Reflexos...

Confessado por Mulherde30, em 11.02.07

reflexo.jpg
Fotografia: Raquel-em-tempo-de-reflexão

Por vezes páro, naquelas alturas em que me parece ser tempo de parar.
Tempo de meditação, dizem uns. De reflexão, dizem outros.
Mas na reflexão, vimos reflexos. E os reflexos deturpam o que há de verdade em nós.
E eu vejo os reflexos de mim, daquilo que sou. Ou tento...
Vasculho-me por dentro, esmiuço cada sentimento, cada pensamento. E dou por mim a pensar que o que se vê nos reflexos, nem sempre é a pureza real do que existe.
Os reflexos deturpam, outras vezes enganam. Parece ser, mas não é. Torna-se preciso descobrir as sete diferenças, como se fosse apenas um passatempo de folha de jornal.

Quando olhamos para alguem e pensamos conhecer, não é verdade. Quase sempre vimos apenas o que desejamos ver. O que precisamos ver. Um dia, saberemos que afinal, nada era bem assim.
Possivelmente o que deixamos sair de nós, sejam imagens turvas do que somos. Talvez ainda se teime em esconder o que de melhor há. Se procure disfarçar as coisas boas que se tem. Porque na verdade, o caminho seguido pela razão, pode trazer muito mais arrependimento, mas tambem, sem duvida, muito menos dor.
Mas no fim, de que vale? O que fica?
A razão não nos faz sentir o coração em batimentos desalinhados, descompassados. A razão não nos deixa sonhar acordados com coisas que parecem impossiveis. A razão não nos faz sentir um tremor de mãos, nem o bambolear de pernas. Nem tão pouco nos faz sentir como se mil borboletas nos voassem no estômago.

Reflexos...
Apenas conseguimos perceber os reflexos de uma alma. Apenas conseguimos deixar sair de nós, luzes fugazes do que existe nos labirintos cá por dentro de nós. Como raios de sol que teimam em cruzar as nuvens espessas em dias de tempestade.

E percebemos, mais tarde, que víamos uma imagem reflectida num espelho, distorcida. E que possivelmente foi sempre assim que permitimos que nos vissem.

publicado às 15:59


Confessionário

De amigolosum a 11.02.2007 às 21:01

Bonita imagem de uma reflexão sentida.Os reflexos são esboços imperfeitos e inacabados de imagens de realidades que quase nunca conseguem transmitir a sua pureza.A era moderna apela ao culto da imagem e no nosso trilho de insatisfação,só nos interessa reconhecer as sensações agradáveis que algo nos pode proporcionar.Nesta ficção em que se vale pelo que tem ou transparece,qual será a demanda que a verdadeira essência nos poderá conceder?Será que nos podemos entregar no nosso estado mais puro?Passou a ser um mecanismo inconsciente,dar aos outros as imagens que querem ver,para também nos sentirmos melhor.Provavelmente Nietzsche tinha razão,precisamos sentir que agradamos aos outros,que gostem de nós,para nos sentirmos melhor e gostarmos mais de nós.Tudo de bom

De Anita a 11.02.2007 às 21:24

Lá diz o dito popular "anda meio mundo a enganar o outro meio", e nos entretantos, ainda nos enganamos a nós próprios e aos outros. Agora, quem é que descobre primeiro o reflexo "invertido"? Quem engana ou o enganado? E depois, o que se faz? Beijinho booom ;)

De nene a 11.02.2007 às 21:42

Olá BoaZona, Reflexo é invertido daí já não é real, não podemos ser totalmente transparentes iríamos nos sentir despidos, com vergonha esta é a nossa maior arma. Em tempos tive um blog chamado "ALMA TRANSPARENTE" tive de acabar com ele por não ser tão translúcido quanto gostava de ser. 1beijo (esta foto não consegui localizar).

De Paulo a 12.02.2007 às 22:08

Para sermos genuinos deviamos viver por actos reflexos, por instinto. Quando racionalizamos deixamos de ser nós, passamos a ser reflexo do padrão social. Abraço

De Diana a 13.02.2007 às 10:00

Quando te encontras na base de um importante maciço montanhoso, estás longe de conhecer toda a sua diversidade, não tens nenhuma ideia das alturas que se ergueram por trás do seu cimo ou por trás daquele que te parece ser o cimo, não suspeitas nem o perigo dos abismos nem os confortáveis assentos ocultos entre os rochedos. É apenas se sobes e se persegues o teu caminho que se revelam pouco a pouco a teus olhos os segredos da montanha, alguns que esperavas, outros que te surpreendem, uns essenciais, outros insignificantes, tudo isso sempre e unicamente em função da direcção que tomares; e nunca te revelarão todas.
O mesmo acontece quando te encontras diante de uma alma humana.
Arthur Schnitzler, in 'Observação do Homem'

De valvcite a 13.02.2007 às 11:42

Conheço sitios assim..........com imagens lindas como esta............

De mulherde30 a 15.02.2007 às 19:06

P/ AMIGOLOSUM: é deprimente pensar que se clahar tens razão... b'jinhos

De mulherde30 a 15.02.2007 às 19:08

P/ ANITA: se anda meio mundo a enganar o outro meio, tenho para mim que a metade que é enganada, não o sabe! Mas a verdade é que muitas vezes, somos bem mais felizes a viver na ignorancia que no conhecimento. Digo eu que nada sei... b'jinhos

De mulherde30 a 15.02.2007 às 19:10

P/ NENE: mas se o tempo é de reflexão, deveríamos conseguir ver as nossas verdades. E nem sempre conseguimos, não concordas? Há uma quantidade de sentimentos que não conseguimos esclarecer. Atitudes, nossas e doutros que não enquandramos em lugar algum... o sitio, dificilmente chegarás lá! eheheheheheh.... b'jinhos

De mulherde30 a 15.02.2007 às 19:31

P/ PAULO: Tens razão, mas por alguma razão nos apelidam de animais, racionais. E deram cabo do ser humano! heeheheh...B'jinhos

Diz lá


Pág. 1/2



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D