Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Daqui a nada...

Confessado por Mulherde30, em 06.08.06

alexandre costa1.jpg
Fotografia: Alexandre Costa

Daqui a nada o Outono está aí. Daqui a nada volta aquela melancolia dos dias que não são quentes nem frios.

A esta hora em que o sol ainda inunda o quarto de luz alaranjada, numa forma meia triste de dizer até amanhã, em que já vejo estrelas e lua e o céu ainda não é negro... a esta hora que não é dia nem noite, que já não é uma coisa e ainda não é outra, sinto cá dentro, no fundo onde faz eco, que ainda não vivi o Verão.
Como se o estivesse a adiar.

Mas já não quero mais deixar para outro dia qualquer. Adiar para quando? Para quando já não o puder viver?

Falta agarrar estes dias quentes com voracidade.
Falta-me aproveitar todos os entardeceres e todas as noites com garra.
Falta-me uma paixão, quem sabe um grande amor.
Falta-me adormecer com o corpo agarrado e colado a outro corpo. Corpos suados por pingos de mel.
Faltam-me os beijos melados em cada milimetro de pele.
Falta-me caminhar de mão dada, à tardinha, na beira da praia com as ondas a brincarem nos meus pés. Ficar sentada num qualquer banco a ver as gaivotas que voam em rodopio, girando em torno de um barco que entra no porto.
Falta-me um passeio àquela hora em que o sol está quase a nascer, em que a neblina traz consigo o ar misterioso de mulher, de braços dados, no areal da Barra. Ou no paredão que se estende pelo mar.
Faltam-me todos os sorrisos, os risos e as conversas.
Faltam-me os olhares de desejo que me fazem desprender de mim e entregar-me ao prazer.
Faltam-me os abraços apertados.
Faltam-me os beijos salgados.
Falta-me libertar todos os medos, cansar o corpo para dar descanso à alma...
Faltam-me os olhares tímidos e cumplices.
Faltam todos os brindes em noites mornas celebrados no segredo.

As mãos.
Sinto a falta das mãos, agora que anoitece mais cedo e que daqui a nada é Outono outra vez.
Falta-me a entrega, o toque de pólen, o sentir todo o torpor de sentimentos à flor da pele.
Faz-me falta um chegar de mansinho que me arrebate.
Faz-me falta voar na prisão de braços que se enlaçam e entrelaçam em mim, de mãos que me puxam e me querem prender.
Faz-me falta o acordar vagaroso quando mãos inquietas tocam a apele e causam arrepio, que devagar serpenteiam na curva dos rins, nos cabelos, no pescoço. Que descem pelas costas, apertam as nádegas, que sobem pelas coxas procurando o sexo húmido. Mãos que têm na ponta dos dedos o desejo e nas unhas a furia de rasgar a pele (ou a alma?) para um gemer baixinho, para a união dos corpos que se querem de-va-gar ou na violência do tesão urgente, numa pressa de quem não quer acabar.
Corpos que libertam os beijos que tardaram e deixam voar a luxuria reprimida.


Faz-me falta saber que me queres. Mais que isso: faz-me falta olhar-te no fundo dos olhos e deixar que os meus lá mergulhem para te dizer que te quero.
Faz-me falta, sabes? Faz-me falta viver realizando as vontades que carrego em mim para onde quer que vá.
Faz-me falta o carinho e entregar-me aos pensamentos satânicos.
Faz-me falta a ternura e a loucura da paixão.
Faz-me falta...tu.
Tu fazes-me falta. Simplesmente. Sinto-te a falta sem nunca te ter tido presente. É possivel?
Como se tudo o que sinto fosse ausência de ti, uma ausência que antes de o ser era nada. E sinto-te a falta mesmo assim.


Mas daqui a nada, é Outono outra vez e como te disse, antes que termine o Verão, quero viver sem pressa e sem atraso todas as paixões.
Fazes-me falta, sim. Mas eu e tu... não somos as personagens do mesmo filme.
Eu quero uma paixão contigo. Um amor contigo. Fazer amor contigo (ou construi-lo?)...sonhos que deposito em folhas brancas de papel, como se os sonhos fossem os nossos corpos e as folhas de papel, os lençóis.
Mas nem todos os sonhos se podem realizar...

É que daqui a nada termina o Verão, daqui a nada começa o Outono. Verás que a cumplicidade se vai manter até ao dia em que já pouco importa se é Primavera ou Inverno. Verás que o maior que criámos, o nosso maior projecto, não será abalado.

Quero-te mas não te quero mais... consegues entender-me? Não posso e nem devo querer-te. Porque em ti não há lugar para mim e eu fico a esperar de longe, de coração apertadinho num egoísmo de ter os teus olhos dentro dos meus, as tuas mãos misturadas nas minhas, o teu corpo dentro e em torno do meu.
Lembras-te quando te disse que talvez os maiores amores não sejam para viver mas apenas para sentir?
Talvez este quase amor encantado seja assim.

Guarda-me dentro de ti, num cantinho onde a vida não tenha permissão de destruir, para não se desfazerem os laços nem os nós que criámos em torno de nós.
Mas é que daqui a nada é Outono outra vez e o Verão começa a despedir-se... (como eu)
E verás que daqui a nada, se doer, será baixinho.

E se alguem perguntar por mim, diz que não sabes. Ou então que fui aprender a existir sem ti, lambendo as mágoas e voando de asas feridas. Agarrando todas as horas dos dias que faltam antes do Verão terminar.

Ou diz apenas que fui viver...

publicado às 21:27


O que pensas:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Velhas confissões

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D