Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Enquanto espero...

Confessado por Mulherde30, em 29.11.05

269774.jpg
Fotografia:?

Se me perguntarem porque espero ou o que espero, não sei dizer.
O que sinto é que ainda não é isto.
O que sinto é que caminhei tanto para alcançar o que pensava que era o que desejava, e agora, que olho o mundo do cimo da montanha, vejo que afinal... não quero tanto assim.

Afinal, sou feliz com muito menos. Preciso apenas de sentir, preciso apenas de acreditar, de sorrir. Preciso da liberdade, aquela que me faz sentir que não tenho nada a perder. Foi sempre assim que vivi, numa corda bamba, a pagar para ver se caía ou ganhava asas para voar.
Quase sempre caí. E levantei-me. É por acreditar... que talvez amanhã, quem sabe, consiga voar.
Viver a arrumar histórias e a começar outras...ir depressa demais e outras vezes não ir sequer. Chorar porque rio e a rir porque choro. Com este coração que não me cabe no peito. E reconstruo-me assim por dentro, devagar.

Recordo que um dia li um provérbio que dizia que quando chegasse a um momento em que me sentisse, de tão cansada, incapaz de dar um passo sequer, teria chegado precisamento a metade do caminho que era capaz de percorrer. Talvez seja verdade. A coragem surge sempre algures, nessas coisas que nos escapam ao primeiro olhar...


É a falta. A falta do toque que sabemos ser por amor. A falta de alguem que nos trate bem, que nos mime, que esteja lá, simplesmente. Mais que namorado, marido ou amante. Companheiro. O porto para o qual sabemos sempre poder regressar. O ter alguem à nossa espera. O esperar por alguem. A quem dar o ultimo telefonema do dia. A quem desejar boa noite. A cabeça de descanso num peito que se mexe devagar. O silêncio. A mão e o corpo entrelaçados noutra mão e noutro corpo. O beijo. O riso. O chamego. O aconchego. O partilhar. Alguem para escutar, alguem que nos escute. O dividir. O acordar cedo porque está tanto por viver... a tranquilidade das manhãs de domingo...as tardes de aconchego no sofá, entre mantas e lareira. As noites de travessura.
Cumplicidades... e o amor sempre escondidinho, ali perto, à espera do momento para gritar. E quantas vezes ninguem o ouve.


Por vezes a falta pesa. A falta de coisas tão banais...como o amor. O amor que quando não morre mata. O amor que muitas vezes, por desistir de nós, nos obriga a desistir dos nossos sonhos... sempre o amor. Que por ser tão odiado é tão procurado. E nessa procura, ele a bater à porta, de mansinho, e nós, distraidos.

Quantos sentem falta? E de quê? Ninguem fala das faltas que sentem, das saudades que têm. A verdade é que não se fala do que se sente... medo? Talvez. As coisa bonitas calam-se para se gritar alto as outras. As feias. É sempre mais fácil magoar que dizer gosto-te.


Eu sinto falta de muitas coisas...até de receber uma carta, verdadeira, em envelope fechado com o carimbo dos correios e tudo. Sem ser em correio azul, que parece ser urgente demais...mesmo que fosse uma carta que começasse por: "minha querida Raquel...."
Saudades das coisas mais pequenas.... saudade.
E a saudade só faz com que espere. Espero o dia em que a possa matar, para sentir aquele sorriso que nasce inocente, por uma ternura que vem do peito, cá de dentro, devagarinho... só para sentir que todo o tempo de espera não foi em vão...


A verdade é que sempre segui pelo melhor caminho, o unico que naquele instante poderia seguir. Parece-me agora que sempre o mais dificil.
Hoje que penso nas perdas, nas faltas, na saudade, nas esperas constantes, vejo que perdi muitas almas, mas nunca a minha, perdi muitos corpos mas nunca o meu. Perdi muitos homens mas nunca o amor. Aquele que continua cá no fundo, onde faz eco. O que espera. Apenas.

"Eu quero te roubar pra mim,
eu que não sei pedir nada.
Meu caminho é meio perdido...
mas que perder seja o melhor destino.

Agora não vou mais mudar,
minha procura por si só
já era o que eu queria achar.
Quando você chama meu nome
eu que tambem não sei onde estou
Pra mim que tudo era saudade
agora seja lá o que for....


Eu só quero saber em qual rua
minha vida vai encostar na tua

E saiba que forte eu sei chegar
mesmo se eu perder o rumo
E saiba que forte eu sei chegar
Se for preciso eu sumo

Eu só quero saber em qual rua
minha vida vai encostar na tua..."

publicado às 00:47


O que pensas:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Velhas confissões

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D