Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



NESTES LENÇÓIS...

Confessado por Mulherde30, em 24.01.05

Colocas a chave na fechadura e abres a porta com um movimento preciso.
No móvel da entrada pousas a carteira, as chaves, o telemovel...
A luz trémula da vela na cozinha faz-te adivinhar longa a noite que já começou... o jantar espera por ti, quase pronto.

Caminhas pelo corredor e pousas o casaco na cadeira do quarto onde tambem não estou. E tu sabes, que pelo meu perfume, estou aí algures, esperando. Na sala a lareira acesa faz sombras mágicas nas paredes... a musica toca baixinho, para te dizer que chegaste ao teu lugar...
Puxas a porta da banheira e olhas-me sorrindo.
Eu, quase adormecida esperando por ti, embalada pela musica e pela luz suave olho-te com amor. Agora já não estou só.
- Estavas aí...
- Sim. Vou já sair, vamos jantar.
- Vamos, mas antes deixa-me juntar-me a ti...
Tiras a roupa com ânsia com urgência...com um desespero que te percebo nos gestos... e olhas-me como se visses muito mais que o meu corpo nu, numa água de espuma.


Queres deixar de ser tu, de ser eu...queremos ser a essência, pura do ser, do espirito da alma.
- Já te disse hoje que te amo?
- Não.
- Amo-te. Muito.


No fim da noite ficamos enroscados em silêncio no sofá, escutando coisas que a boca não diz, palavras que ela não sabe pronunciar...


Agora, neste instante, sei que abres a porta, que já não existe o móvel para pousares as tuas coisas, já não há jantar feito por mim com amor, já não há luz, já não há vela... a casa já não tem o meu cheiro... na sala já não há fogo, nem musica, nem sombras...já nada te diz que estás em casa.
O corredor que atravessas de peito pesado e de olhar húmido torna-se longo demais e atiras o teu casaco com pressa como se quizesses libertar-te de uma máscara que carregas todo o dia.
Já não estou na banheira, nem na varanda, nem no sofá... já não habito em lado algum...
já não te espero

A saudade quase que mata, não concordas? O pior é que sei que ainda me amas. Sei porque o sinto.... mas os nossos corações já não falam, os nossos espiritos perderam a voz, o nosso olhar já não se cruza...

Agora o sofá é todo teu e a cama já não é minha, já não durmo nela, já não sou eu. Já não sou eu em nada.
Já não me agarro a ti a cobrir-te de beijos, já não me enrosco no teu peito, já não deslizo com os meus dedos no teu corpo...
Já não sou eu que te deixo bilhetes no frigorifico a dizer-te que ontem foste tudo... a deixar-te um beijo...já não deixo recados.

Nessa casa já não espero por ti... e a solidão destrói-nos...
Choras? Eu sei que sim... sentes falta de tudo quanto fui contigo, de tudo quanto conseguiste ser....
Chora sim... eu tambem já chorei muito.

E nesta cama tão imensa, eu sou tão peqenina!
E sei que algures, ainda murmuras o meu nome, ainda procuras o meu cheiro, noutro cheiro, o meu sorriso noutro sorriso, o meu eu... que não encontras.
O arrependimento é o preço mais alto que alguem pode pagar...

Penso em tanto que nós fomos e no nada que nos tornámos.
Aqui, neste instante, perdida no meio de lençóis tão frios ...
...ou serei eu?

publicado às 23:13


Confessionário

De daniela a 25.01.2005 às 10:23

triste mas lindo!

O que pensas:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Velhas confissões

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D