Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Será o fim um inicio?

Confessado por Mulherde30, em 15.01.07

Philippe Pache.jpg
Fotografia: Plilippe Pache


Não sei se me sinto triste, ou se me sinto feliz. A verdade é que vivi algo tão surreal, que me sinto ainda, a planar.


Há horas em que não sei que caminho seguir. Horas em que olho ao redor e não encontro um trilho por onde alguem já tenha passado. É quando me embrenho por lugares que nunca conheci, e descubro, do outro lado, algo que nunca imaginei.
E basta um quase nada, para mudar a nossa vida, para sempre.

Porque há momentos em que nos chamam e o medo não nos permite ir. Mas há momentos em que nos dizem, antes do raiar da aurora, "anda comigo, vamos fugir, vou-te buscar".
E o caminho fica mais fácil de fazer. A dois. Mesmo sem entender, vamos. Porque a algum sitio tudo isto nos vai levar.

Foi preciso sofrer, para que só agora, tanto tempo depois, encontre as respostas. Agora, que já nada há que possa mudar o rumo à história, me dizem que precisam de mim, que querem dormir nos meus braços.
Foi preciso chegar-se ao limite para deixar sair o que se guardou tanto tempo. E é na hora da partida que se sente que é preciso dizer, mesmo que se pense que os outros sabem, que os outros sentem o nosso amor.
Nessa linha ténue entre o estar perto e ter muitos kilómetros de chão a separar-nos, alguem nos diz que somos importantes, que há um sentimento grande no seu peito, com os olhos rasos de água. E tudo o resto fica tão pequeno, todas as esperas se tornam tão insignificantes... e voando, pairamos e planamos lá do alto naquela tranquilidade que se sente sempre que dizemos que apesar de tudo, afinal, tudo valeu a pena.

- Sabes, há momentos em que, com as asas feridas, não consigo voar.
E uma voz sussura-nos ao ouvido:
- As minhas asas são suficientes para nós dois...

Como confissão: Não sei se existem anjos ou destino, mas se existem, com certeza gostam de mim. É que ainda há pessoas de quem já pouco esperamos o que quer que seja, e do nada, chegam-nos de mansinho, em pezinhos de lã, e nos viram a vida do avesso. Mesmo que nessa mudança seja preciso dizer: até um dia. Porque a ternura, essa, dificilmente será esquecida. Porque o carinho, esse, dificilmente nos deixará o peito. Porque a memória de coisas tão sublimes, dificilmente se apagará. E a magia da vida acontece... enquanto vivemos.

Vocês, amigos de sombras, acreditem que este deve ser o momento que mais me custou partilhar convosco. Talvez por isso tudo vos pareça sem sentido, não sei...
Porque me custa encontrar as palavras, porque tudo ainda me está à flor da pele, porque as lágrimas me teimam em cair, porque os dedos não deslizam pelas teclas, porque a esta hora, ainda escuto as palavras, ainda tenho os cheiros, ainda queria voltar atrás e ter de novo aquele abraço de corpos enroscados, que nos entrelaça a alma, quando tudo o que desejamos é apenas isso. Porque o que vivi, o que senti, foi grandioso demais. E acima de tudo, porque me custa escrever enquanto tenho o peito assim, apertadinho.

publicado às 00:01


O que pensas:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



O que queres saber?

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Velhas confissões

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D